Pular para o conteúdo principal

Free School

Em março desse ano eu fui conhecer uma escola alternativa e democrática em Albany, NY (EUA). Foram tantas coisas novas, tantas coisas que mexeram, que comecei a escrever sobre o que tinha vivido lá em dois dias de visita.

Dos textos, conversas e afetos, surgiu a ideia de mudar o meu tema de mestrado, e lá fui eu fazer minha pesquisa na Free School, querendo entender como as crianças percebem a experiência de estudar em uma escola diferente.

A pesquisa, que vai ser minha dissertação de mestrado, está em processo de escrita, transcrição e cia. Mas tem um monte de textos por aqui, e vários que ainda quero escrever. Então, para organizar um pouco a bagunça, juntei tudo nessa nova abinha.

Comecemos o passeio!


Para ir até o site oficial da escola (em inglês), é só clicar aqui.
Eles têm também uma página no facebook, com várias fotos e alguns textos.


Quer entender o que é, como funciona, como começou a escola? Você pode ir ali do lado e clicar no marcador 'Free School' - vão aparecer todos os posts que escrevi até agora. Mas pode fuçar por aqui também:

Nesses posts eu falo sobre como eu fiquei sabendo da escola, e como (e por quê) fui parar ali:

Começando
Um pouco de história


O funcionamento da escola está espalhado em diversos posts, ó:

Nesse, eu explico em linhas gerais como a escola funciona;

depois eu conto também um pouco sobre passar um dia na escola;

a Assembleia, parte importante da escola, está aqui.

O que as crianças fazem nessa escola? Dá pra descobrir por aqui

Elas têm turmas? Horários? Como é isso? É assim.

Ainda sobre o funcionamento, eu conto sobre a importância da comida na escola


Agora, se você quer saber sobre as coisas que me cutucaram, incomodaram... Tem também!

Só vir aqui e aqui.


Enquanto eu ia escrevendo, algumas pessoas me fizeram perguntas. Eu tentei responder todas elas, e se você tiver curiosidade pode fuçar também:

sobre a assembleia
sobre avaliações;
sobre diversos assuntos.

Se tiverem perguntas, curiosidades, comentários, críticas, inquietações, os comentários estão abertos, e meu email está disponível também, ali do lado no perfil.

Boas leituras!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

coragem

a coragem está justamente em pular sem garantia nenhuma. é mergulhar no desconhecido sem saber o que vem depois, o que espera na curva, confiando apenas naquilo que impele, que move, que faz pulsar. a coragem é feita de trama fina, mas resistente. passa às vezes despercebida pelos olhares mais desatentos. não se reveste de certezas nem redes de proteção, mas se forja no vento que bate na pele quando do pulo, no coração que bate ligeiro, no frescor simples de acreditar. não é de matéria frágil que a coragem é feita, e nem da insensatez. ela é construída em força, desejo e um ímpeto incontido de pegar a vida pelas mãos.

passos

filha, hoje eu aprendi que preciso confiar nos seus passos. vc queria atravessar por aí, como seus amiguinhos estavam fazendo com tanta tranquilidade, e eu fiquei te dando a mão. até que vc falou que queria ir sozinha, que vc conseguia, e eu falei que eu tinha medo. tentei pegar sua mão de novo, e vc não deixou. "eu consigo, mamãe." e foi. concentrada, com seu passo pequeno e tão confiante, determinada como vc sempre é. eu fui logo atrás, segurando a respiração e repetindo como um mantra que preciso confiar nos seus passos. vc atravessou, ficou feliz e orgulhosa, e eu também. o coração acelerado, pensando "e se...". mas confiando. assim vai ser, filha, por todo o tempo: eu aprendendo a confiar nos seus passos, nas suas escolhas. sabendo que às vezes vc vai cair e eu vou precisar ser forte pra te amparar. sabendo que muitas vezes vc vai me mostrar ser mto mais capaz do que eu julgo, me ensinando que meu papel é te encorajar e deixar ir. não achei que fosse ser difíc…

seis horas

seis horas da tarde, sexta-feira, a escola toda em quietude. hora de ir cuidando dos detalhes: carregar a pirâmide pra um lugar coberto, fechar uma porta que ficou aberta, apagar alguma luz que esqueceram acesa, guardar a garrafinha perdida no quintal. vou andando pela escola vazia e pensando em tudo que aconteceu ali nas últimas horas de um dia bem cheio. as brincadeiras no quintal, as estudantes de pedagogia que vieram fazer pesquisa; as aulas de música sobre diferentes etnias indígenas, a criança nova que estava indo pra escola pela primeira vez, o menino que pediu minha ajuda pra aprender a descer pelo “cano do bombeiro”, as comidinhas feitas de lama e folha, as bocas sujas de feijão e as barrigas cheias. também os conflitos e brigas, os “é meu”, “não gosteeei!”, “não me empurra!”; os convidados do creas que foram conversar sobre diversidade, gênero e respeito; o pequeno que passou mal, a reunião que precisou ser remarcada, a impressora que não funcionou, os abraços compartilhados…