Pular para o conteúdo principal

Free School - FAQ 2

Nossa sessão de perguntas e respostas está ganhando muitos adeptos! Não param de chegar emails, cartas e mensagens com dúvidas e comentários sobre a Free School. Tá, mentirinha. Mas chegou uma nova pergunta, e quem quiser pode perguntar mais também.

A pergunta do dia é:

"Nath, e avaliações? Como se avalia se a criança assimilou o conteúdo adequado para idade dela? (Tipo, tem idade para aprender a ler? Aprender a fazer conta?)"

Responder essa pergunta não é muito fácil; eu poderia só falar: não tem avaliação, nem prova, nem nota. Mas acho que é preciso entender o motivo disso, e como isso representa uma outra forma de encarar a educação.

As escolas alternativas e/ou democráticas, como a Free School, não partem do pressuposto de que existe uma idade certa pra aprender um conteúdo; elas partem do interesse das crianças, e acreditam que elas podem tomar as decisões sobre a própria educação. É uma mudança grande de postura, porque exige que o professor confie nos educandos, em uma construção que leva as crianças a confiarem também nelas mesmas.

Em uma palestra que assisti outro dia, da Brooklyn Free School, o palestrante contou a história de um menino de 16 anos que sempre tinha estudado em escolas alternativas, sempre escolhendo o que queria aprender e só aprendendo o que tinha interesse. E ele nunca tinha tido interesse em álgebra, matemática. Mas aos 16 anos, decidiu que queria entrar na faculdade, e pra isso ia ter que fazer uma prova, que incluía matemática. Ele então estudou sozinho, dedicando um tempo só pra isso, e passou na prova.

A gente tem a expectativa de que ninguém lembre do que aprendeu na escola, porque nós mesmos não lembramos; também esperamos que as crianças não gostem da escola, principalmente depois da Educação Infantil. Se uma criança de 4 anos odeia a escola, por exemplo, os pais geralmente tentam resolver. Reclamam com o diretor, acham que a professora é ruim, mudam de escola, fazem o que for preciso. Mas depois disso, quando as crianças passam para o Ensino Fundamental, parece que é quase esperado que a vontade de ir pra escola passe também. E não precisa - nem poderia e deveria, na minha opinião - ser assim.

A ideia é que a educação não é um processo de homogeinização, e de empurrar conteúdos goela abaixo das crianças. A educação deveria servir como processo de construção, criação, levando em consideração que cada pessoa é única. Então, nas escolas que acreditam nisso, não tem turmas rigidamente separadas, e nem uma prova que vai medir se a criança aprendeu aquilo que o professor queria que ela aprendesse. Vão ter temas e atividades que as crianças sugerirem; vão ter crianças que escolhem o que querem aprender, e em qual ritmo; professores que não se acham donos da verdade, mas que se colocam disponíveis a aprender junto. E crianças que aprendem e lembram do que aprenderam, porque aquilo partiu delas e faz sentido para elas.

E esse processo não tem a mesma linha de chegada para todas as crianças, nem a mesma idade, nem os mesmos conteúdos. Então, não tem prova, nem nota, nem boletim, nem recuperação no fim do ano. Tem crianças que decidem, escolhem e se sentem com poder para criar a própria educação.


Querem um FAQ 3? Se joguem nos comentários - ou no facebook, emails, cartas, mensagens... ;)













Comentários

Felipe disse…
Querida! Entendi esse lance.. entao as "turmas" sao separadas por idade? Por vontade de aprender?

e fico me perguntando como seria no futuro.. como elas se portariam na universidade, onde nem tudo é free!

como faz? Como é a adaptacao a um mundo nao muito livre?

reflexoes, reflexoes... obrigado pelos posts!
Carolina disse…
Felipe

Acho que quando a gente chega à universidade já se deu conta de que nem tudo no mundo é free, mas também já consegue lidar melhor com isso e em muitas instituições tem alguma liberdade para correr atrás dos nossos interesses.

Nath,

Na verdade eu tenho duas inquietações: 1) O quanto ainda é possível realizar experiências de liberdade dentro de uma sala de aula onde os alunos nunca passaram por isso? Pergunto isso pensando exatamente nos meus alunos da educação profissional. Me parece um tanto tranquilo que as crianças da experiência free se adaptem ao sistema tutelado da maior parte das instituições (eu mesma vivi um pouco disso), mas como fazer o caminho inverso depois de tanto tempo de um processo educativo amarrado?
2) Nath, quando você vai abrir a sua escola maravilhosa? (Queria que os filhos que eu espero ter estudassem lá)
Carolina

Postagens mais visitadas deste blog

paredes

quando eu engravidei a gente morava em um apartamento de dois quartos que tinha sido reformado pra ser um quarto só - um quarto bem grande, com uma escrivaninha imensa na ponta, uma amplidão que só vendo. e uma das primeiras coisas que pensamos foi: "o bebê vai precisar de um quarto!" (falo sobre essa ilusão em outro post depois, vamos por partes).

começamos então uma pequena reforma pra levantar a parede e dividir o quarto em dois, e esses dias pensei nessa história e lembrei da angústia que isso me deu. lembro de um dia deitar na cama e chorar, me sentindo claustrofóbica e apertada. acho que na verdade aquela parede, além dos enjoos e da barriga crescendo, materializava a mudança imensa que estava acontecendo, toda a transformação que estava por vir. era uma das primeiras concessões que o meu eu-mãe fazia ao bebê, e acho que me fez pensar em todas as outras coisas que eu abriria mão, em tudo que nunca mais seria o mesmo.

hoje, vejo como foi bom eu ter tido esse tempo de c…

passos

filha, hoje eu aprendi que preciso confiar nos seus passos. vc queria atravessar por aí, como seus amiguinhos estavam fazendo com tanta tranquilidade, e eu fiquei te dando a mão. até que vc falou que queria ir sozinha, que vc conseguia, e eu falei que eu tinha medo. tentei pegar sua mão de novo, e vc não deixou. "eu consigo, mamãe." e foi. concentrada, com seu passo pequeno e tão confiante, determinada como vc sempre é. eu fui logo atrás, segurando a respiração e repetindo como um mantra que preciso confiar nos seus passos. vc atravessou, ficou feliz e orgulhosa, e eu também. o coração acelerado, pensando "e se...". mas confiando. assim vai ser, filha, por todo o tempo: eu aprendendo a confiar nos seus passos, nas suas escolhas. sabendo que às vezes vc vai cair e eu vou precisar ser forte pra te amparar. sabendo que muitas vezes vc vai me mostrar ser mto mais capaz do que eu julgo, me ensinando que meu papel é te encorajar e deixar ir. não achei que fosse ser difíc…

desmame

foram mtas tentativas de desmame; teve a vez que a dentista fez terrorismo e disse que as cáries eram da amamentação. e eu acreditei, cheguei em casa de noite e falei que não ia ter peito, e a clarice chorou muiiiiito, e eu chorei muito tb, até desistir depois de 1h e dar mamá pra ela, as duas soluçando e eu abraçando ela forte. eu falava nessa época que queria desmamar, mas não estávamos prontas. teve tb no natal, que ela passou dois dias sem pedir e eu pensei que pronto, tinha desmamado assim, sozinha e do nada. mas, risos, claro que não. teve as vezes que eu quase surtava de madrugada, exausta e irritada. teve a vez no carnaval, que eu tive que ninar ela no colo duas madrugadas, peguei uma gripe braba e desisti pq precisava dormir. e teve a vez que foi, de verdade, o desmame. não teve combinado, não falei que ela era grande (pq ela sempre respondia isso com um gugu-dadá com voz de bebê, falando que era pequenininha), e tb não teve raiva ou surto. era o segundo dia que ela mamava de…