terça-feira, 17 de abril de 2012

rabiscos

a novidade da semana é um gesso no braço direito, bem chato (e pré-histórico, segundo me disseram) que me impede de fazer algumas coisas pequenas, daquelas do dia-a-dia que passam despercebidas até vc ter um grande desafio para fazê-las - como digitar essas algumas palavras.

e, bom, tem sei lá, 24h que to de gesso, e o que mais to sentindo falta é de escrever. não é de digitar, vejam bem, é de escrever mesmo. lápis e papel, minha letra ora pequena, ora torta, ora capricho. lembretes, desabafos, ideias, compromissos, observações de falas interessantes, uma poesia inspiradora na parede que eu queria no caderno. um telefone, uma música que não sai da cabeça, uma lista de compras ou afazeres... que saudade.

eu nem sabia que escrevia tanto assim, e que escrever era assim uma parte tão grande de mim...

e aí pensando nisso eu lembrei de um texto do eduardo galeano que uma colega leu na aula inspiradora de quinta passada:

"Celebração de bodas da razão com o coração

Para que a gente escreve, se não é para juntar nossos pedacinhos? Desde que entramos na escola ou na igreja, a educação nos esquarteja: nos ensina a divorciar a alma do corpo e a razão do coração.

Sábios doutores de Ética e Moral serão os pescadores das costas colombianas, que inventaram a palavra sentipensador para definir a linguagem que diz a verdade."

ps: esse continho tá no (lindo) livro dos abraços
ps2: depois conto duas histórias engraçadas envolvendo o gesso e uma ida ao mercado
ps3: me lembrem também de contar da coincidência que aconteceu na aula inspiradora de quinta, envolvendo o galeano

Um comentário:

Anônimo disse...

gosto muito do que escreve, escreve com leveza....