Pular para o conteúdo principal

2558, o ano que não acabou

A ideia de virmos pra Tailândia existe há muitos anos - muitos mesmo. E desde muito tempo escuto histórias sobre os costumes, crenças e celebrações daqui. Meu maior interesse era por duas dessas celebrações: o Songkran e o Lói Kratong*.

O Songkran marca o ano novo tailandês, e o que eu entendi, perguntando por aqui e pesquisando, é que ele seguia o calendário solar budista e era cada ano em uma data, marcando o início de um novo ano astrológico, com a chegada do sol em áries. Mas, por volta de 1940, a Tailândia adotou o ano novo internacional e decidiram fixar o Songkran entre 13 e 15 de abril - sim, são 3 dias de comemoração.

O Songkran é um feriado muito importante na Tailândia, em que tudo pára, e uma época para ficar com a família, festejar, pedir bênçãos e se preparar para um novo ciclo. E vai mais ou menos assim:

O primeiro dia ainda é parte do ano velho, e um dia que as pessoas tiram para limpar suas casas, se desfazer do que não serve mais e também honrar seus antepassados e os anciões de suas famílias: não à toa, o dia 13 é também o dia dos idosos aqui.


{na foto: khun meé, minha 'sogra' daqui, lavando as mãos da mãe dela com uma água perfurmada de jasmin, para honrar a pessoa mais velha da família e também pedir suas bênçãos}

O segundo dia é o nao day, dia do meio; não é mais ano velho, mas também ainda não é ano novo. É o dia nacional da família, e também dia de ir aos templos e fazer oferendas aos monges. Na época do Songkran os mercados vendem uma espécie de "cesta" com itens para dar aos monges, como os robes laranjas, incensos, flores. Durante o Songkran vários lugares colocam estátuas do Buda para serem lavadas com a água de jasmin, como forma de oferenda. Detalhe importante é que não se pode molhar a cabeça do Buda, o certo é jogar a água devagar pelos ombros da estátua.

{na foto: eu e Clarice lavando o Buda que colocaram aqui no prédio}


O terceiro dia é finalmente ano novo, e eu estava muito empolgada achando que entraríamos no ano de 2559! Eu ia viver de pertinho um ano novo diferente, chegar mais no futuro ainda. Mas o ano não muda [pausa para a musiquinha de "fuén fuén fuéén" ao fundo]. Desde que rolou aquele acordo que falei lá em cima, em 1940, a Tailândia segue o ano novo internacional, e 2559 só vai chegar junto com 2016. #xatiada

Agora, o mais simbólico de todos esses três dias, o motivo que faz com que turistas encham Bangkok, que pára as ruas e faz a festa da galera é... a água! A água serve para limpar os mau agouros do ano anterior, e assim receber o ano novo com tudo fresco, limpo. Como já vimos, as pessoas lavam as mãos dos idosos, lavam as estátuas, então... por que não lavar uns aos outros também, certo? O Songkran é bem conhecido por ser um festival da água, em que as pessoas jogam água umas nas outras na rua. Arminhas de água (ou armonas, porque tem umas muito grandes), baldes com água, alguns baldes com gelo, mangueiras... a regra é: ninguém sai seco! Algumas ruas são fechadas só pra isso, e tem música, comidas, muita gente na rua, muita animação e muita, muita água [outro dia a gente conversa sobre o desperdício, quem sabe num post sobre a insustentabilidade dessa babilônia chamada Bangkok].

{é Songkran em Bangkok, mas quase podia ser carnaval em Salvador}

Todo mundo joga água em todo mundo: crianças, adolescentes, adultos, guardinhas (sim, os guardinhas!), motoristas de tuk tuk, passageiros nos ônibus... Nem a Clarice escapou: as pessoas vinham com muito jeitinho, faziam cara de "é Songkran, fazer o que?" e splash, davam um respingo de água na pequena. Ela estava lidando muito bem com os três dias de farra, até irmos em uma parte da rua que tinha uns sprinklers molhando todo mundo. Eu amei, fiquei feliz da vida, porque abril é o mês mais quente aqui (e eu gosto só um pouco de uma baguncinha), mas ela não gostou nada dessa história, tadinha. Ficou bem sentida de se molhar toda no meio da rua... mas passou! A ideia agora é voltarmos especialmente pro Songkran daqui uns anos, pra ela poder molhar todo mundo também!

{as roupas floridas também fazem parte da tradição, mas não descobri muito bem o por quê. Uma das hipóteses é que é a chegada da primavera. Mas pode ser que não... Veremos.}

Em alguns lugares do país dizem que as comemorações duram a semana inteira; aqui em Bangkok foram os três dias mesmo. Depois o jeito é andar nas ruas calorentas sem a esperança de que alguém vá te refrescar um pouco com uma arminha de água...


* o Lói Kratong é só em novembro, então depois eu conto como é!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

paredes

quando eu engravidei a gente morava em um apartamento de dois quartos que tinha sido reformado pra ser um quarto só - um quarto bem grande, com uma escrivaninha imensa na ponta, uma amplidão que só vendo. e uma das primeiras coisas que pensamos foi: "o bebê vai precisar de um quarto!" (falo sobre essa ilusão em outro post depois, vamos por partes).

começamos então uma pequena reforma pra levantar a parede e dividir o quarto em dois, e esses dias pensei nessa história e lembrei da angústia que isso me deu. lembro de um dia deitar na cama e chorar, me sentindo claustrofóbica e apertada. acho que na verdade aquela parede, além dos enjoos e da barriga crescendo, materializava a mudança imensa que estava acontecendo, toda a transformação que estava por vir. era uma das primeiras concessões que o meu eu-mãe fazia ao bebê, e acho que me fez pensar em todas as outras coisas que eu abriria mão, em tudo que nunca mais seria o mesmo.

hoje, vejo como foi bom eu ter tido esse tempo de c…

passos

filha, hoje eu aprendi que preciso confiar nos seus passos. vc queria atravessar por aí, como seus amiguinhos estavam fazendo com tanta tranquilidade, e eu fiquei te dando a mão. até que vc falou que queria ir sozinha, que vc conseguia, e eu falei que eu tinha medo. tentei pegar sua mão de novo, e vc não deixou. "eu consigo, mamãe." e foi. concentrada, com seu passo pequeno e tão confiante, determinada como vc sempre é. eu fui logo atrás, segurando a respiração e repetindo como um mantra que preciso confiar nos seus passos. vc atravessou, ficou feliz e orgulhosa, e eu também. o coração acelerado, pensando "e se...". mas confiando. assim vai ser, filha, por todo o tempo: eu aprendendo a confiar nos seus passos, nas suas escolhas. sabendo que às vezes vc vai cair e eu vou precisar ser forte pra te amparar. sabendo que muitas vezes vc vai me mostrar ser mto mais capaz do que eu julgo, me ensinando que meu papel é te encorajar e deixar ir. não achei que fosse ser difíc…

desmame

foram mtas tentativas de desmame; teve a vez que a dentista fez terrorismo e disse que as cáries eram da amamentação. e eu acreditei, cheguei em casa de noite e falei que não ia ter peito, e a clarice chorou muiiiiito, e eu chorei muito tb, até desistir depois de 1h e dar mamá pra ela, as duas soluçando e eu abraçando ela forte. eu falava nessa época que queria desmamar, mas não estávamos prontas. teve tb no natal, que ela passou dois dias sem pedir e eu pensei que pronto, tinha desmamado assim, sozinha e do nada. mas, risos, claro que não. teve as vezes que eu quase surtava de madrugada, exausta e irritada. teve a vez no carnaval, que eu tive que ninar ela no colo duas madrugadas, peguei uma gripe braba e desisti pq precisava dormir. e teve a vez que foi, de verdade, o desmame. não teve combinado, não falei que ela era grande (pq ela sempre respondia isso com um gugu-dadá com voz de bebê, falando que era pequenininha), e tb não teve raiva ou surto. era o segundo dia que ela mamava de…