sábado, 27 de dezembro de 2008

dois mil e oito - quase nove

E agora com o fim do ano começam a pipocar as retrospectivas; um apanhado geral das coisas que marcaram o ano, os fatos mais importantes, quem casou, quem separou, quem teve filho, as perdas mais sentidas, os momentos polêmicos mais comentados...

Mas eu não to muito no clima de olhar pra trás. 2008 foi um dos anos mais intensos até agora, talvez conseguindo até barrar 2007, conhecido como "o-ano-que-casei-mudei-de-país-tranquei-faculdade-e-arrumei-um-emprego".

2008, pra mim, valeu por 2 anos, talvez porque os dois semestres foram completamente diferentes um do outro. Aconteceu muita coisa, coisa demais pra dar tempo de fazer uma retrospectiva.

Acabo o ano com a certeza de dever cumprido, e de uma vida que se abre sem fim, com as coisas em seu lugar, por mais tristes ou injustas que pareçam ser. Me despeço desse ano tão grande com a alegria imensa de estar com a minha família, sabendo que isso me dará forças e sorrisos para abraçar 2009 com vontade.

Que seja um ano colorido, de paz e tranquilidade, e de balance - que equilíbrio me parece muito estático, e a vida é mesmo um balançar pra cá e pra lá.

Feliz 2009, todos os dias do ano!

Um comentário:

Anônimo disse...

nas minhas andanças de doismilenove, escutei em roda: nem tudo que reluz é ouro, nem tudo que balança cai. e assim seja...aquele abraço, anth querida. Nana