Pular para o conteúdo principal

Hockey!

Depois do futebol americano, ontem foi a vez de assistirmos de perto uma partida de hockey. O melhor mesmo é tentar entender os gritos e rituais da torcida - além, é claro, de ver os jogadores trombando nas paredes! ;)

Começamos com a distribuição de jornais. Um carinha animado andando pela arquibancada, perguntando quem queria jornal. A primeira pergunta foi a mais óbvia: "What the hell...?" Você vai pro jogo e ganha um jornalzinho?! Pra ler no intervalo? Embrulhar o que sobrar do cachorro quente? Levar pro banheiro em caso de emergência? Nada disso! Enquanto o locutor chama o time adversário, a torcida fica sacudindo a folha de jornal, fazendo um baraulho que lembra vaia; e depois jogam bolinhas de jornal no campo, pra fazer um efeito. A-há!!!

Tem também que quando o juiz apita, todo mundo levanta a mão (uma só, atenção aos detalhes) e fica sacudindo; depois todos falam alguma coisa (que lembra mais ou menos "sísísí blablabla), apontando os dedos para os jogadores. Especialistas acreditam que a torcida crê que esses gestos trazem má sorte para o time adversário, mas ainda não temos certeza.

O legal mesmo são os gritos da galera. Qualquer torcida brasileira vai ter um grito mais ou menos assim:
- HEYB#@$%(!!!! VAI TOMAR NO %^ SEU ?+}&^%$gthf!!!!, e por aí vai.
Pros nossos padrões, a torcida daqui chega a ser ingênua:
- Hey, Gordon! Your father called - and he said: YOU SUCK!
(depois ligam a mãe, o irmão, o amigo...)

E quando tem gol do nosso time? Depois de comemorar todo mundo aponta o dedo pro goleiro adversário e fala: "This is all your fault!"

Bonitinho, né?! Imagina um brasileiro, no Maracanã, depois daqueeele frango, falar pro goleiro "É tudo culpa sua! Seu fedido!" Surreal.

Mas o ponto alto do jogo foi quando 2 jogadores tropeçaram um no outro, e a lâmina do patins de um atingiu o braço do segundo. UUUUIII. Doeu. Sai o jogador com o braço sangrando e aquela cara de alegria... :/ teve também um que levou uma tacada perigosa NAQUELE lugar. AI!!!

Cornell perdeu o jogo - segundo o Marcel, a galera aqui só sabe estudar mesmo, porque de resto... tá fraco - mas eu nem liguei muito. Fiquei até o último segundo, torci, pulei, falei que a mãe do goleiro falou que ele suck também, fiquei nervosa e me diverti horrores :)

Agora preciso ir pro beisebol!!! \o/

Comentários

Lu disse…
GO BIG RED!
Hahahahah
Meu time favorito de losers.
Te amo, minha globalizada.
Beijofazmeuscrapbook.
Van disse…
dizem que beisebol é meio chatinho... mas como estou adorando os escritos antropológicos de estranhamento dos esportes americanos aguardo cenas dos próximos capítulos.
Luisa disse…
Foi um dos posts que eu mais gostei na minha vida inteira!!! Tá muito boa a sua descriçao de um jogo de rockey... eu agora to morrendo de vontade de ir em um tb! Essa história do jornal foi a melhor! =D
Felipe disse…
HAHAHAHAHAHAHA

muuuuuuuito booooooooom!

HEY, TAAAALI, YOOOOOUUUUU ROOOOCK!

YOOOOOU ROCK!

YOOOOU ROOOOCK!

Postagens mais visitadas deste blog

paredes

quando eu engravidei a gente morava em um apartamento de dois quartos que tinha sido reformado pra ser um quarto só - um quarto bem grande, com uma escrivaninha imensa na ponta, uma amplidão que só vendo. e uma das primeiras coisas que pensamos foi: "o bebê vai precisar de um quarto!" (falo sobre essa ilusão em outro post depois, vamos por partes).

começamos então uma pequena reforma pra levantar a parede e dividir o quarto em dois, e esses dias pensei nessa história e lembrei da angústia que isso me deu. lembro de um dia deitar na cama e chorar, me sentindo claustrofóbica e apertada. acho que na verdade aquela parede, além dos enjoos e da barriga crescendo, materializava a mudança imensa que estava acontecendo, toda a transformação que estava por vir. era uma das primeiras concessões que o meu eu-mãe fazia ao bebê, e acho que me fez pensar em todas as outras coisas que eu abriria mão, em tudo que nunca mais seria o mesmo.

hoje, vejo como foi bom eu ter tido esse tempo de c…

passos

filha, hoje eu aprendi que preciso confiar nos seus passos. vc queria atravessar por aí, como seus amiguinhos estavam fazendo com tanta tranquilidade, e eu fiquei te dando a mão. até que vc falou que queria ir sozinha, que vc conseguia, e eu falei que eu tinha medo. tentei pegar sua mão de novo, e vc não deixou. "eu consigo, mamãe." e foi. concentrada, com seu passo pequeno e tão confiante, determinada como vc sempre é. eu fui logo atrás, segurando a respiração e repetindo como um mantra que preciso confiar nos seus passos. vc atravessou, ficou feliz e orgulhosa, e eu também. o coração acelerado, pensando "e se...". mas confiando. assim vai ser, filha, por todo o tempo: eu aprendendo a confiar nos seus passos, nas suas escolhas. sabendo que às vezes vc vai cair e eu vou precisar ser forte pra te amparar. sabendo que muitas vezes vc vai me mostrar ser mto mais capaz do que eu julgo, me ensinando que meu papel é te encorajar e deixar ir. não achei que fosse ser difíc…

desmame

foram mtas tentativas de desmame; teve a vez que a dentista fez terrorismo e disse que as cáries eram da amamentação. e eu acreditei, cheguei em casa de noite e falei que não ia ter peito, e a clarice chorou muiiiiito, e eu chorei muito tb, até desistir depois de 1h e dar mamá pra ela, as duas soluçando e eu abraçando ela forte. eu falava nessa época que queria desmamar, mas não estávamos prontas. teve tb no natal, que ela passou dois dias sem pedir e eu pensei que pronto, tinha desmamado assim, sozinha e do nada. mas, risos, claro que não. teve as vezes que eu quase surtava de madrugada, exausta e irritada. teve a vez no carnaval, que eu tive que ninar ela no colo duas madrugadas, peguei uma gripe braba e desisti pq precisava dormir. e teve a vez que foi, de verdade, o desmame. não teve combinado, não falei que ela era grande (pq ela sempre respondia isso com um gugu-dadá com voz de bebê, falando que era pequenininha), e tb não teve raiva ou surto. era o segundo dia que ela mamava de…