Pular para o conteúdo principal

Aleatoriedade: definição

10 da noite depois de um dia longo, com aula e muiiito trabalho, e eu to aqui, sacudindo as pernas e comendo nutella, com mais energia do que Itaipu pulando dentro de mim.

Que nem as crianças lá da escola, que no fim do fim do dia, quando as mães chegam pra irem embora, resolvem se soltar, correr pela sala, subir e descer escada num ritmo alucinado, cantar, rodar e rir... pois é. Como eu não tenho escada, e nem espaço pra correr, e não posso atrapalhar muito os vizinhos, to aqui. Sacudindo a perna e comendo nutella.

Nutella, aliás, é uma invenção dos céus, né? Acho que esse fim de semana eu vou no farmer's market - tem uma moça da Bélgica (eu acho) que faz um crepe de morango com nutella de cair o queixo... é muiiito morango, e muiiita nutella. Praticamente um crime contra os bons costumes, já que a bagunça é inevitável.

Falando em bagunça, lembrei da escola. Porque todo dia é uma bagunça diferente, né? É prato que cai, é menino que bate a cabeça do amiguinho na árvore (quisera eu estar exagerando...), é comida no chão porque a menina resolveu bancar a garçonete e carregar tudo como bandeja... enfim. Mas hoje aconteceu uma coisa muito linda, pra variar também. A Mary Caroline (conhecida como "uma das coisas minhas lindas desse mundo inteiro") tava lá se pendurando nas barras e caiu, batendo a cabeça no chão. Foi lá a Super Taia (yo) socorrer a amiguinha. Gelo, colo, abraço, seca as lágrimas, mais gelo, mais colo, pronto, passou. Mas aí depois de ter passado, ela tava fingindo que chorava, bem cara de pau, e eu perguntei se ela precisava de outro abraço. A menina se jogou em mim e me deu um abraço tão apertado, mas tão apertado, que eu quase chorei junto com ela. Mas nem ia ser fingido.

E agora o milagre aconteceu - a calmaria está chegando. Acho que vou aproveitar a deixa, guardar minha nutella e ver um filme com o marido lindo - que, aliás, faz uma sopa maravilhosa, a melhor do mundo. Mas isso fica pra outro dia...

Comentários

Liii disse…
Oiie
Meu nome e' Aline sim, hehe.

Booom saber desse crepe, vou ir la' experimentar antes que o farmer`s market feche pra temporada! sou meeeega fan de Nutella, que by the way, nunca achei por aqui. :/

Beeijos :D

Postagens mais visitadas deste blog

coragem

a coragem está justamente em pular sem garantia nenhuma. é mergulhar no desconhecido sem saber o que vem depois, o que espera na curva, confiando apenas naquilo que impele, que move, que faz pulsar. a coragem é feita de trama fina, mas resistente. passa às vezes despercebida pelos olhares mais desatentos. não se reveste de certezas nem redes de proteção, mas se forja no vento que bate na pele quando do pulo, no coração que bate ligeiro, no frescor simples de acreditar. não é de matéria frágil que a coragem é feita, e nem da insensatez. ela é construída em força, desejo e um ímpeto incontido de pegar a vida pelas mãos.

seis horas

seis horas da tarde, sexta-feira, a escola toda em quietude. hora de ir cuidando dos detalhes: carregar a pirâmide pra um lugar coberto, fechar uma porta que ficou aberta, apagar alguma luz que esqueceram acesa, guardar a garrafinha perdida no quintal. vou andando pela escola vazia e pensando em tudo que aconteceu ali nas últimas horas de um dia bem cheio. as brincadeiras no quintal, as estudantes de pedagogia que vieram fazer pesquisa; as aulas de música sobre diferentes etnias indígenas, a criança nova que estava indo pra escola pela primeira vez, o menino que pediu minha ajuda pra aprender a descer pelo “cano do bombeiro”, as comidinhas feitas de lama e folha, as bocas sujas de feijão e as barrigas cheias. também os conflitos e brigas, os “é meu”, “não gosteeei!”, “não me empurra!”; os convidados do creas que foram conversar sobre diversidade, gênero e respeito; o pequeno que passou mal, a reunião que precisou ser remarcada, a impressora que não funcionou, os abraços compartilhados…

passos

filha, hoje eu aprendi que preciso confiar nos seus passos. vc queria atravessar por aí, como seus amiguinhos estavam fazendo com tanta tranquilidade, e eu fiquei te dando a mão. até que vc falou que queria ir sozinha, que vc conseguia, e eu falei que eu tinha medo. tentei pegar sua mão de novo, e vc não deixou. "eu consigo, mamãe." e foi. concentrada, com seu passo pequeno e tão confiante, determinada como vc sempre é. eu fui logo atrás, segurando a respiração e repetindo como um mantra que preciso confiar nos seus passos. vc atravessou, ficou feliz e orgulhosa, e eu também. o coração acelerado, pensando "e se...". mas confiando. assim vai ser, filha, por todo o tempo: eu aprendendo a confiar nos seus passos, nas suas escolhas. sabendo que às vezes vc vai cair e eu vou precisar ser forte pra te amparar. sabendo que muitas vezes vc vai me mostrar ser mto mais capaz do que eu julgo, me ensinando que meu papel é te encorajar e deixar ir. não achei que fosse ser difíc…