Pular para o conteúdo principal

do maior mico da vida

uma pousada linda, um grupo de pessoas em um encontro sobre a arte de anfititriar. um silêncio que começou na noite anterior, e duraria até o fim desse momento.

várias pessoas absortas em seus mundos e naquilo ao redor: a grama, a textura da folha, o barulho do balanço, o incômodo das pedras no chão.

eu, com um vestido e uma calça, sentada observando. de repente, a ideia: colocar o pé na areia e subir no escorregador.

subida feita, era hora de descer. escorregador de madeira, é bom notar. com 3 tábuas um pouco separadas, sabem como? pois é. começa a descida...

e vai descendo
descendo...

e para.

o vestido, bendito, enganchou na ponta do escorregador. tava eu lá, parada (encalhada, eu diria) no meio do brinquedo. as várias pessoas ao meu redor completamente imersas na atividade - que, ironia, ironia, eu mesma havia proposto. e em silêncio. lembram?

fazer o que uma hora dessas? sem poder gritar, sem conseguir fazer um gesto de socorro [não tinha ninguém olhando!], o jeito foi reunir minhas forças, virar de costas como dava, me segurar na ponta do escorrega e subir, escalar, até conseguir soltar o vestido.

e depois, claro, pular do escorregador. porque eu é que não ia tentar descer de novo...


{sabe a pior parte da história? não tem uma foto ou testemunha ocular sequer...}

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

coragem

a coragem está justamente em pular sem garantia nenhuma. é mergulhar no desconhecido sem saber o que vem depois, o que espera na curva, confiando apenas naquilo que impele, que move, que faz pulsar. a coragem é feita de trama fina, mas resistente. passa às vezes despercebida pelos olhares mais desatentos. não se reveste de certezas nem redes de proteção, mas se forja no vento que bate na pele quando do pulo, no coração que bate ligeiro, no frescor simples de acreditar. não é de matéria frágil que a coragem é feita, e nem da insensatez. ela é construída em força, desejo e um ímpeto incontido de pegar a vida pelas mãos.

passos

filha, hoje eu aprendi que preciso confiar nos seus passos. vc queria atravessar por aí, como seus amiguinhos estavam fazendo com tanta tranquilidade, e eu fiquei te dando a mão. até que vc falou que queria ir sozinha, que vc conseguia, e eu falei que eu tinha medo. tentei pegar sua mão de novo, e vc não deixou. "eu consigo, mamãe." e foi. concentrada, com seu passo pequeno e tão confiante, determinada como vc sempre é. eu fui logo atrás, segurando a respiração e repetindo como um mantra que preciso confiar nos seus passos. vc atravessou, ficou feliz e orgulhosa, e eu também. o coração acelerado, pensando "e se...". mas confiando. assim vai ser, filha, por todo o tempo: eu aprendendo a confiar nos seus passos, nas suas escolhas. sabendo que às vezes vc vai cair e eu vou precisar ser forte pra te amparar. sabendo que muitas vezes vc vai me mostrar ser mto mais capaz do que eu julgo, me ensinando que meu papel é te encorajar e deixar ir. não achei que fosse ser difíc…

seis horas

seis horas da tarde, sexta-feira, a escola toda em quietude. hora de ir cuidando dos detalhes: carregar a pirâmide pra um lugar coberto, fechar uma porta que ficou aberta, apagar alguma luz que esqueceram acesa, guardar a garrafinha perdida no quintal. vou andando pela escola vazia e pensando em tudo que aconteceu ali nas últimas horas de um dia bem cheio. as brincadeiras no quintal, as estudantes de pedagogia que vieram fazer pesquisa; as aulas de música sobre diferentes etnias indígenas, a criança nova que estava indo pra escola pela primeira vez, o menino que pediu minha ajuda pra aprender a descer pelo “cano do bombeiro”, as comidinhas feitas de lama e folha, as bocas sujas de feijão e as barrigas cheias. também os conflitos e brigas, os “é meu”, “não gosteeei!”, “não me empurra!”; os convidados do creas que foram conversar sobre diversidade, gênero e respeito; o pequeno que passou mal, a reunião que precisou ser remarcada, a impressora que não funcionou, os abraços compartilhados…