domingo, 26 de setembro de 2010

é circular




um centro preparado com cuidado, no chão, pra gente ter uma referência, e pra honrar, embelezar o espaço que se cria.
mão com mão, entrega. os passos começam, ora ensinados ora sentidos, seguindo o ritmo. a música embala, trazendo as mais diversas sensações: alegria, celebração, oração. a prece, o canto, o sagrado, a felicidade da dança. e do encontro. olhos se fecham enquanto os pés seguem livres o que o corpo sabe fazer - e parece que nasceu sabendo. algumas vezes os olhares se encontram, e a cumplicidade faz surgir sorrisos, mesmo que anônimos. o pulso segue a batida, a cabeça acaba por se render e começa a contemplar...


essa ciranda não é minha só, ela é de todos nós...

Um comentário:

Felipe disse...

Que lindo!

lindo lindo lindo!

me levou de volta pra Confint...

e eu que sempre achei ciranda meio meio... agora aprendi na pele, ou melhor, nos pés e nas maos a importancia de cirandear!

"...we are one!"