Pular para o conteúdo principal

Dois lados

primeiro ato

sábado, sol, praia de ipanema, passa uma moça vendendo cangas e colchas lindas.

eu paro pra perguntar o preço. vamos conversando, negociando, ela me dá um super desconto. quando vejo, já estamos as duas sentadas em outras cangas, batendo papo. cida, o nome dela. começa a me contar da vida, do que faz, do que gosta. diz que é cabelereira, e eu logo me animo: "ah, sério? to querendo cortar meu cabelo, cê não corta pra mim, não?"

ela disse que sim, que cortava. é de brasília também, sobradinho, mas já está no rio há 25 anos. riso fácil, conversa boa, diz que da próxima vez que eu vier pro rio é pra ficar na casa dela. trocamos telefone, ela me dá um brinco de presente e diz que se um dia tiver uma neta, vai dar o nome de nathália, "porque toda nathália é ótima!". eu que não vou discordar, né?!

na outra semana, nos encontramos por acaso na praia de novo, como velhas amigas. mais papo, mais combinações, o encontro pro tal corte de cabelo - amanhã, hein?! dia do aniversário dela, comprei um bolinho pra gente comemorar. ela furou no primeiro dia, verdade, mas veio no segundo sem falta. de tesoura em mãos e um creme pra fazer uma hidratação - mais um presente que ela ia me dar.

conversamos, rimos um monte, ela cortou meu cabelo, fez a hidratação e ainda secou. comeu bolo, tomou café, disse que eu tinha cara de ipanema e levou o resto do bolo pra exibir na praia.

entreatos

a cida me diz, depois, que não é bom jogar nosso cabelo no lixo, não. melhor jogar no mar, dar lá pra iemanjá (ela jura que eu sou mesmo de oxum, mas vai que tem uma iemanjá na jogada?!).

eu, como boa credora de todas as fés, não me arrisco a desobedecer. e hoje, depois de um dia esquisito, resolvo ir lá fazer a inusitada oferenda.

segundo ato

quarta, bem-quase-noite, copacabana. eu parada de frente pro mar, olhando as ondas irem e virem.

praia vazia, frio, passam 3 meninos correndo na minha frente, e eu nem tchum. continuei lá, acompanhando o vai-vem das ondas, tralirá-poesia-tchururu...
chegam mais 3 meninos, agora mais perto. fiquei olhando, por um instante pensei que eles iam pedir informação. mas eles pediram minha bolsa. segurei a bolsa do lado e pedi que não, por favor. um deles olhou e falou de novo, "me dá a bolsa", enquanto quase pegava meu pescoço. eu me dobrei um pouco e dei um grito alto, assustando os meninos e chamando atenção de um casal que estava perto. os meninos saíram correndo pra um lado, eu fui pra perto do casal tremendo, e voltei pra casa com eles, que perceberam meu susto e gentilmente me acompanharam.

não me machuquei, ainda bem (depois que passou tudo que fui pensar que eles podiam estar com alguma arma, podiam ter me batido, empurrado, qualquer coisa) e nem levaram nada.

quer dizer, levaram.

levaram a sensação de segurança e conforto que eu estava tendo no rio; levaram uma parte do meu não-preconceito (e me orgulho em dizer que anos estudando diversidade funcionam - se os meninos, que podiam se encaixar em todos os esteriótipos do "medo", não tivessem pedido pela minha bolsa três vezes, eu ia estar até agora achando que eles iam me perguntar as horas). levaram minha tranquilidade e minha esperança de que ver o mar ia melhorar o dia.

mas não levaram meu teimoso otimismo, nem o ainda mais teimoso encantamento com o que pode vir da vida. é por isso que essa história é contada em dois atos; porque são dois os lados, intensos e vívidos, dessa cidade cheia de contrastes que pede urgência de todas as sensações e emoções...

Comentários

Anônimo disse…
tão tenso e denso, com uma beleza...

Postagens mais visitadas deste blog

paredes

quando eu engravidei a gente morava em um apartamento de dois quartos que tinha sido reformado pra ser um quarto só - um quarto bem grande, com uma escrivaninha imensa na ponta, uma amplidão que só vendo. e uma das primeiras coisas que pensamos foi: "o bebê vai precisar de um quarto!" (falo sobre essa ilusão em outro post depois, vamos por partes).

começamos então uma pequena reforma pra levantar a parede e dividir o quarto em dois, e esses dias pensei nessa história e lembrei da angústia que isso me deu. lembro de um dia deitar na cama e chorar, me sentindo claustrofóbica e apertada. acho que na verdade aquela parede, além dos enjoos e da barriga crescendo, materializava a mudança imensa que estava acontecendo, toda a transformação que estava por vir. era uma das primeiras concessões que o meu eu-mãe fazia ao bebê, e acho que me fez pensar em todas as outras coisas que eu abriria mão, em tudo que nunca mais seria o mesmo.

hoje, vejo como foi bom eu ter tido esse tempo de c…

passos

filha, hoje eu aprendi que preciso confiar nos seus passos. vc queria atravessar por aí, como seus amiguinhos estavam fazendo com tanta tranquilidade, e eu fiquei te dando a mão. até que vc falou que queria ir sozinha, que vc conseguia, e eu falei que eu tinha medo. tentei pegar sua mão de novo, e vc não deixou. "eu consigo, mamãe." e foi. concentrada, com seu passo pequeno e tão confiante, determinada como vc sempre é. eu fui logo atrás, segurando a respiração e repetindo como um mantra que preciso confiar nos seus passos. vc atravessou, ficou feliz e orgulhosa, e eu também. o coração acelerado, pensando "e se...". mas confiando. assim vai ser, filha, por todo o tempo: eu aprendendo a confiar nos seus passos, nas suas escolhas. sabendo que às vezes vc vai cair e eu vou precisar ser forte pra te amparar. sabendo que muitas vezes vc vai me mostrar ser mto mais capaz do que eu julgo, me ensinando que meu papel é te encorajar e deixar ir. não achei que fosse ser difíc…

desmame

foram mtas tentativas de desmame; teve a vez que a dentista fez terrorismo e disse que as cáries eram da amamentação. e eu acreditei, cheguei em casa de noite e falei que não ia ter peito, e a clarice chorou muiiiiito, e eu chorei muito tb, até desistir depois de 1h e dar mamá pra ela, as duas soluçando e eu abraçando ela forte. eu falava nessa época que queria desmamar, mas não estávamos prontas. teve tb no natal, que ela passou dois dias sem pedir e eu pensei que pronto, tinha desmamado assim, sozinha e do nada. mas, risos, claro que não. teve as vezes que eu quase surtava de madrugada, exausta e irritada. teve a vez no carnaval, que eu tive que ninar ela no colo duas madrugadas, peguei uma gripe braba e desisti pq precisava dormir. e teve a vez que foi, de verdade, o desmame. não teve combinado, não falei que ela era grande (pq ela sempre respondia isso com um gugu-dadá com voz de bebê, falando que era pequenininha), e tb não teve raiva ou surto. era o segundo dia que ela mamava de…