Pular para o conteúdo principal

Free School 4 - um dia na escola

(sei que prometi falar da assembleia, e até comecei um post com ela. Mas a inspiração me carregou pra outros lados, e aí fui junto).

Logo que cheguei e subi as escadas, fui falar com dois professores que estavam em pé, encostados nos cubbies das crianças. Olhei ao redor: era um espaço bem amplo, com mesas espalhadas. Uma mesa maior servia de buffet, e algumas crianças e adultos tomavam café da manhã: torrada, ovo mexido, frutas, leite.


Me apresentei e falei que tinha mandado um email pro Bhawin, e que ia fazer uma visita. "Ah, o Bhawin vai chegar mais tarde hoje. Peraí, coloca suas coisas ali em cima que eu te mostro a escola.", me disse um outro professor, o Asyah. E entre escadas, portas e salas, fui descobrindo o que era a Free School.

"Aqui é mais ou menos a sala de ciências, e também do 2o e 3o anos. A gente faz atividade de matemática também. Tá vendo esse papelão em cima da mesa, com a raposa desenhada? É pro fundraising, a gente vai fazer uma noite de filme e esse cartaz é pras pessoas tirarem foto do lado, as crianças que tiveram a ideia. O dinheiro vai pra nossa excursão do ano." Na sala tinham duas mesas compridas, um quadro branco e duas estantes com livros, legos, materiais de ciência. Uma professora (Jane) chega em seguida e fala que vai usar a sala pra fazer "ooblek", mistura de amido de milho com água, e assim explicar sobre moléculas. "Hoje não tem reunião com a turma, mas eu vou ali avisar pra eles que é isso que vou fazer". Eles não são obrigados a ir, mas como era uma atividade que não esteva planejada antes, ela quis avisar.

A sala tem uma porta que dá pra outra sala, que eles chamam de "Big Room". Essa sala é bem ampla, parece um estúdio de dança. Tem dois tatames grandes estendidos, um piano e várias crianças, de várias idades, fazendo várias coisas diferentes. Umas estão dando cambalhotas e estrelinhas no tatame, outras constroem com blocos e duas meninas sentam numa mesa e brincam com os bonecos que uma delas trouxe de casa. "Aqui é onde acontecem os council meetings e as reuniões de atividades".


Algumas crianças param pra perguntar alguma coisa pro Asyah, pedindo pra pegar algum material ou avisando de alguma mudança na programação do dia, e toda vez eu sou apresentada e elas me cumprimentam. Seguimos por outra porta, e é a sala dos sofás: tem dois, bem confortáveis, e 3 computadores, que as crianças podem usar para projetos da escola. De novo, a cena que ia se tornar tão familiar nesses dois dias: várias crianças, várias idades, várias atividades.

A sala seguinte é do jardim de infância (kinder) e 1a. série, mas quem está lá são alunos do Junior High, tocando violão. Do lado dessa, a sala da 4a. série, que também é sala de leitura (e, como descobri no dia seguinte, da aula de ukelele também). Mais uma porta (nesse ponto, já estou perdida e achando que entrei num labirinto!) e chegamos em uma parte meio escura, onde ficam os casacos, mochilas e no fundo a sala de artes, que também é a sala das 5a e 6a séries. A pré-escola fica no andar de cima, na sala onde as refeições acontecem; os mais velhos, das 7a e 8a séries, ficam em uma sala meio "isolada", também no andar de cima. "É como se fosse um privilégio por serem mais velhos, e também pra manter algumas conversas por ali" - o Asayah me explicou.

(aí é a sala dos mais velhos)

Ao fundo do "salão principal", a cozinha, parte importante da escola. Uma porta dá pro lado de fora, onde uma ponte de madeira e uma escada dão acesso ao quintal, com um brinquedo grande e balanço. O Asyah fala que as crianças vão ali pra fora sempre que querem, pra brincar, correr, pular, e que o frio, chuva ou neve nunca impedem elas. Considerando que a sensação térmica era de -11oC (ou menos!) e que as crianças mais novas ficaram um bom tempo lá fora, acreditei nele.

(tá vendo a neve ali? brrrr!)

Em todas as salas, crianças fazendo alguma coisa, ocupadas. Nenhuma tendo aula, pelo menos não naquele momento. Uns liam; quatro meninas estavam bolando um filme, e avisaram que iam virar o sinal da porta para "Stop" (é. Cada porta de cada sala tem uma placa de papelão, escrita stop ou go. Se estiver em go, pode entrar, passar; se tiver stop, meia volta, não pode interromper. Nos banheiros, sem divisão menino/menina, funciona a mesma regra). O Asyah avisou que a gente ia passar por lá rapidinho, e elas concordaram. Quando entramos, elas estavam escrevendo o roteiro e pensando personagens. Não tinha nenhum professor por perto. Não precisava.

Voltei pra sala de ciências, e o ooblek estava a todo vapor. Não sei se vocês já tentaram essa mistura, mas é muito legal. Quando você aperta, a massa se junta um pouco e fica quase sólida, mas se você abre a mão ela escorre, líquida. Enquanto duas meninas faziam o ooblek, dois meninos mais velhos jogavam um jogo com bola de gude, medindo distâncias e marcando no quadro branco. A Jane estava ali, fazendo o ooblek junto e contando sobre como essa sensação engraçada acontecia por causa das moléculas (desculpa, gente, eu matei a aula e não vou saber explicar direito. Santo google pra que te quero!)

(mexendo o ooblek!)

Passei pra Big Room e fui fuçar as paredes: tinham cartazes chamando para audição de peças que algumas crianças estavam fazendo, as responsabilidades de cada criança durante o "all school clean up" e esse cartaz aqui:



Imagina! Eu já presenciei uma professora pedindo pra um menino tirar a fantasia de princesa na sala, porque era de menina, e fazendo cara feia pra isso. Mesmo. Juro. Recentemente. Achei muito legal a escola bancar isso. Depois fiquei sabendo que a escola quer mesmo discutir papeis de gênero e suas (des)construções.

Enquanto olhava as paredes, uma menina veio falar comigo. Se apresentou e me falou que ela estava na peça do cartaz que eu estava vendo (tinha uma lista de personagens ali). Ela disse que era muito legal, porque na peça o irmão dela ia ser a mãe dela! E que, olha só, um outro menino ia ser o pai. Que dois meninos iam ser casados na peça, porque o irmão dela quis fazer o teste para o papel de mãe. Depois perguntou se eu ia ser professora ou voluntária (quem quer ser um dos dois, na escola, faz um dia de visita também), e eu contei que estava visitando. Ela me puxou pela mão e falou que ia fazer outro tour comigo. Foi me mostrando os lugares e falando o nome de todos os alunos que via, e contando quem era da sala dela, ou do irmão, ou que a pessoa fazia. Paramos um tempo na sala de artes; quatro meninas estavam fazendo pulseiras, colocando as miçangas na linha (atividade bem montessori, diga-se de passagem) e planejando venderem depois para arrecadar fundos para a excursão. A Opal, minha guia, ia apresentar elas, mas uma interrompeu e falou: eu posso me apresentar, thank you! E veio falar nome e me fazer as perguntas base (nome, da onde eu era, por que eu estava ali). Um detalhe sobre a Opal: no fim do dia, quase na hora de embora, passei por ela e ela me perguntou o que eu tinha achado da minha visita. Achei muito atencioso!

Em um dos passeios, passamos pela cozinha, e algumas alunas ajudavam a Deirdre (que cozinha e dá aula de culinária na escola também) a preparar o almoço. Parte das crianças da pré-escola estavam lá fora brincando; a Nya, uma das alunas, de 4 anos, pediu pra eu empurrar um banco pra ela, porque ela queria uma luva, e como não tinha trazido foi procurar na gaveta das luvas-gorros-meias-etc-de-todos. Sem um professor vir atrás dela, sem alguém falar que ela não podia ficar lá fora porque estava muito frio.

E isso são as primeiras horas da minha visita de dois dias. E isso são muitos detalhes, conversas e cenas que eu não contei (ainda), porque é tão complicado escrever as sensações, as expressões das crianças, cada fala, cada detalhe do espaço, dos sons... mas eu estou tentando.

A saga continua daqui a pouco!

(e começa por aqui)



Comentários

Que delicia! Estou adorando a leitura.
Bjinss

Postagens mais visitadas deste blog

paredes

quando eu engravidei a gente morava em um apartamento de dois quartos que tinha sido reformado pra ser um quarto só - um quarto bem grande, com uma escrivaninha imensa na ponta, uma amplidão que só vendo. e uma das primeiras coisas que pensamos foi: "o bebê vai precisar de um quarto!" (falo sobre essa ilusão em outro post depois, vamos por partes).

começamos então uma pequena reforma pra levantar a parede e dividir o quarto em dois, e esses dias pensei nessa história e lembrei da angústia que isso me deu. lembro de um dia deitar na cama e chorar, me sentindo claustrofóbica e apertada. acho que na verdade aquela parede, além dos enjoos e da barriga crescendo, materializava a mudança imensa que estava acontecendo, toda a transformação que estava por vir. era uma das primeiras concessões que o meu eu-mãe fazia ao bebê, e acho que me fez pensar em todas as outras coisas que eu abriria mão, em tudo que nunca mais seria o mesmo.

hoje, vejo como foi bom eu ter tido esse tempo de c…

passos

filha, hoje eu aprendi que preciso confiar nos seus passos. vc queria atravessar por aí, como seus amiguinhos estavam fazendo com tanta tranquilidade, e eu fiquei te dando a mão. até que vc falou que queria ir sozinha, que vc conseguia, e eu falei que eu tinha medo. tentei pegar sua mão de novo, e vc não deixou. "eu consigo, mamãe." e foi. concentrada, com seu passo pequeno e tão confiante, determinada como vc sempre é. eu fui logo atrás, segurando a respiração e repetindo como um mantra que preciso confiar nos seus passos. vc atravessou, ficou feliz e orgulhosa, e eu também. o coração acelerado, pensando "e se...". mas confiando. assim vai ser, filha, por todo o tempo: eu aprendendo a confiar nos seus passos, nas suas escolhas. sabendo que às vezes vc vai cair e eu vou precisar ser forte pra te amparar. sabendo que muitas vezes vc vai me mostrar ser mto mais capaz do que eu julgo, me ensinando que meu papel é te encorajar e deixar ir. não achei que fosse ser difíc…

desmame

foram mtas tentativas de desmame; teve a vez que a dentista fez terrorismo e disse que as cáries eram da amamentação. e eu acreditei, cheguei em casa de noite e falei que não ia ter peito, e a clarice chorou muiiiiito, e eu chorei muito tb, até desistir depois de 1h e dar mamá pra ela, as duas soluçando e eu abraçando ela forte. eu falava nessa época que queria desmamar, mas não estávamos prontas. teve tb no natal, que ela passou dois dias sem pedir e eu pensei que pronto, tinha desmamado assim, sozinha e do nada. mas, risos, claro que não. teve as vezes que eu quase surtava de madrugada, exausta e irritada. teve a vez no carnaval, que eu tive que ninar ela no colo duas madrugadas, peguei uma gripe braba e desisti pq precisava dormir. e teve a vez que foi, de verdade, o desmame. não teve combinado, não falei que ela era grande (pq ela sempre respondia isso com um gugu-dadá com voz de bebê, falando que era pequenininha), e tb não teve raiva ou surto. era o segundo dia que ela mamava de…