Pular para o conteúdo principal

Free School 5 - Assembleia

Agora sim, a Assembleia.

Logo depois do almoço, na quinta-feira, estava conversando com uma professora quando o Bhawin me falou que alguém tinha chamado uma assembleia, e que se eu quisesse poderia ir lá ver. Desci na mesma hora, pensando na sorte de ter uma bem no dia que eu estava lá.

A assembleia é a instância maior da escola, onde as coisas são decididas e os problemas resolvidos. A participação é obrigatória, porque o que é decidido na assembleia geralmente impacta toda a comunidade. Qualquer pessoa pode chamar uma assembleia a qualquer momento, para tratar de assuntos que dizem respeito a todos.

Nesse dia, uma menina da 6a série (vamos chamar ela de Ana) chamou a assembleia porque um menino (John) da mesma idade estava batendo nela repetidamente, todos os dias. No dia em questão ele bateu e empurrou ela enquanto ela e outros amigos estavam sentados nos sofás; ela disse que os amigos estavam agitados, brincando, e nem perceberam o que aconteceu. Ela chamou a assembleia porque já tinha conversado com o menino várias vezes, não sabia mais o que fazer, e queria a ajuda de toda a escola para chegar em uma solução.

Estavam todas as crianças ali, do jardim de infância à 8a série, e todos os professores também (com exceção dos da pré-escola). Todas as assembleias são coordenadas por um aluno ou aluna, que são nomeados e depois votados (quando eu cheguei essa parte já tinha acontecido). O chairperson (vou chamar de coordenador, se alguém tiver tradução melhor me avisa pfv!) vai conduzindo a assembleia; quem quiser ter a vez de fala precisa levantar a mão, e só fala depois que o coordenador dá a palavra. Os professores podem falar (levantando a mão também), mas eles tentam se abster de votar no final, para deixar as crianças decidirem.

Nessa assembleia, a Ana expôs o problema, e queria entender por que o John estava batendo nela. Algumas crianças disseram que não estavam entendendo o motivo dela ter chamado a assembleia, e ela explicou, com muita calma e paciência. Disse que não estava conseguindo resolver sozinha e que queria a ajuda de todos para entender. As crianças que estavam presentes perguntaram para o John por que ele batia nela, e ele disse que não sabia, que ele não pensava antes. Várias rebateram e falaram que a gente sempre está pensando, e que ele tinha que pensar em formas de controlar as ações dele. O melhor amigo do John disse que ia ajudar ele, e que se percebesse que ele ia ultrapassar os limites, ia chamar a atenção dele. Uma professora disse que muitas vezes todos nós fazemos coisas sem pensar, sim, mas que se quisermos mudar precisamos prestar atenção. Um outro professor lembrou que os amigos que estavam perto podiam ter ajudado, e eles falaram que não viram, porque estavam brincando de cosquinha, luta e cia.

No desenrolar da assembleia, o John disse que ainda estava chateado com a Ana porque ela tinha falado alguma coisa sobre a família dele semanas atrás, e magoado muito ele; a Ana respondeu, dizendo que eles tinham conversado na época, ela tinha pedido desculpas e não sabia o que mais poderia fazer. Ele não sabia o que fazer, nem o que pedir dela. Uma hora ela perguntou: "o que você ganha me batendo?"

Eu fiquei impressionada com as discussões, com a capacidade deles de se colocarem no lugar do outro, de colocarem claramente seus limites e dificuldades. A sugestão dada foi que eles tivessem uma reunião de mediação, com a professora que já estava mais a par da situação, e com quem mais eles achassem pertinente, ou que fosse ajudar. Essa reunião seria para o John conversar sobre o que estava sentindo, e o que estava incomodando. Ele disse que não concordava, que para ele falar não ajudava. Perguntaram então o que ele queria fazer, e ele não respondeu. Foi feita uma moção para a sugestão da mediação, que foi aprovada por maioria; um professor fez uma emenda que eles deveriam se reunir de novo em uma semana para ter um acompanhamento da situação e não chegar ao limite de novo, que também foi aprovada na assembleia. Depois de 45 minutos de reunião, o coordenador fez a moção de encerramento da assembleia, que foi aprovada com um certo alívio (afinal, era sexta-feira depois do almoço!)

Depois, fiquei conversando com a Rachel, professora. Ela disse que algumas vezes os professores não concordam com as soluções propostas pelos alunos, mas que a decisão da assembleia é o que vale. Em alguns casos, ela disse que eles tentam argumentar (como uma vez em que a solução proposta era que duas crianças passassem 3 semanas sem poder brincar juntas, e os professores acharam muito extremo), mas que no fim fica o que é decidido pelos alunos. Eles são responsáveis também por dar continuidade à decisão e garantir que o que a assembleia decidiu vai acontecer (por exemplo, já tiveram duas ocasiões em que a assembleia decidiu que a solução era todos os alunos se revezarem na limpeza dos banheiros, mas que em uma delas a pessoa responsável não fez a lista e organizou o revezamento, e ninguém cobrou, então ficou por isso mesmo). Os professores também podem chamar uma assembleia - o Asyah chamou uma para falar da bagunça que a escola estava ficando todo dia, e foi assim que começou o sistema do "all school clean up" - 15 minutos antes do fim do dia a escola inteira tem responsabilidades para limpar, desde varrer, lavar mesas, desligar os computadores, guardar os brinquedos.

Eu já tinha ouvido falar da Assembleia (a Escola da Ponte, em Portugal, faz também, por exemplo), mas foi muito legal poder ver uma acontecendo. É mesmo um momento de comunidade, de pensar junto, de cuidado, até.

Próximo capítulo: os projetos e atividades da escola


ps: eu não tirei foto da assembleia porque achei que ia ser falta de respeito. Afinal, foi a única hora que eu vi as crianças levantando a mão e pedindo para ir ao banheiro e beber água, ou seja: é um momento importante e não quis ficar de paparazzi/turista atrapalhando.

~ posts anteriores:
parte 1
parte 2
parte 3
parte 4

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

paredes

quando eu engravidei a gente morava em um apartamento de dois quartos que tinha sido reformado pra ser um quarto só - um quarto bem grande, com uma escrivaninha imensa na ponta, uma amplidão que só vendo. e uma das primeiras coisas que pensamos foi: "o bebê vai precisar de um quarto!" (falo sobre essa ilusão em outro post depois, vamos por partes).

começamos então uma pequena reforma pra levantar a parede e dividir o quarto em dois, e esses dias pensei nessa história e lembrei da angústia que isso me deu. lembro de um dia deitar na cama e chorar, me sentindo claustrofóbica e apertada. acho que na verdade aquela parede, além dos enjoos e da barriga crescendo, materializava a mudança imensa que estava acontecendo, toda a transformação que estava por vir. era uma das primeiras concessões que o meu eu-mãe fazia ao bebê, e acho que me fez pensar em todas as outras coisas que eu abriria mão, em tudo que nunca mais seria o mesmo.

hoje, vejo como foi bom eu ter tido esse tempo de c…

passos

filha, hoje eu aprendi que preciso confiar nos seus passos. vc queria atravessar por aí, como seus amiguinhos estavam fazendo com tanta tranquilidade, e eu fiquei te dando a mão. até que vc falou que queria ir sozinha, que vc conseguia, e eu falei que eu tinha medo. tentei pegar sua mão de novo, e vc não deixou. "eu consigo, mamãe." e foi. concentrada, com seu passo pequeno e tão confiante, determinada como vc sempre é. eu fui logo atrás, segurando a respiração e repetindo como um mantra que preciso confiar nos seus passos. vc atravessou, ficou feliz e orgulhosa, e eu também. o coração acelerado, pensando "e se...". mas confiando. assim vai ser, filha, por todo o tempo: eu aprendendo a confiar nos seus passos, nas suas escolhas. sabendo que às vezes vc vai cair e eu vou precisar ser forte pra te amparar. sabendo que muitas vezes vc vai me mostrar ser mto mais capaz do que eu julgo, me ensinando que meu papel é te encorajar e deixar ir. não achei que fosse ser difíc…

desmame

foram mtas tentativas de desmame; teve a vez que a dentista fez terrorismo e disse que as cáries eram da amamentação. e eu acreditei, cheguei em casa de noite e falei que não ia ter peito, e a clarice chorou muiiiiito, e eu chorei muito tb, até desistir depois de 1h e dar mamá pra ela, as duas soluçando e eu abraçando ela forte. eu falava nessa época que queria desmamar, mas não estávamos prontas. teve tb no natal, que ela passou dois dias sem pedir e eu pensei que pronto, tinha desmamado assim, sozinha e do nada. mas, risos, claro que não. teve as vezes que eu quase surtava de madrugada, exausta e irritada. teve a vez no carnaval, que eu tive que ninar ela no colo duas madrugadas, peguei uma gripe braba e desisti pq precisava dormir. e teve a vez que foi, de verdade, o desmame. não teve combinado, não falei que ela era grande (pq ela sempre respondia isso com um gugu-dadá com voz de bebê, falando que era pequenininha), e tb não teve raiva ou surto. era o segundo dia que ela mamava de…