Pular para o conteúdo principal

Free School 3 - como funciona?

Pra explicar um pouco a escola, vou contar do começo: de como os pais matriculam os filhos, como é o começo do ano letivo, quais são as regras da escola, essas coisas. Se preparem pra muitos parênteses, talvez alguns desvios e grandes chances de muitas perguntas a serem respondidas em outros posts.

Se você tiver interesse na Free School, vai preencher um formulário pra entrar na lista de espera deles. As crianças podem começar a partir dos 3 anos, e a escola vai até os 14 (Junior High, antes do Ensino Médio). Quando tiver uma vaga na turma que você quer {depois eu explico sobre essa história das turmas!}, eles entram em contato. Você e seu filho vão então na escola, conhecer e conversar com os professores. Se continuarem interessados, seu filho vai ter um tempo de experiência, antes da matrícula: 3 dias para as crianças da pré-escola, e 5 dias para todos os outros. Se depois desses dias, você E seu filho ainda quiserem a escola, matrícula feita e a conversa sobre quanto você pode pagar da mensalidade. Esse "e" ali em cima tá destacado porque é uma das regras deles: a criança tem que querer estudar na escola. Não adianta ser uma vontade dos pais apenas, porque senão vira um sistema de obrigação como qualquer outra escola, e a proposta é justamente mudar isso.

Matrícula feita, vamos começar o ano letivo. Antes: lá não tem uniforme (acho que quase nenhuma escola dos EUA tem, a não ser as particulares muito chiques - me corrijam se não for isso!), e a escola oferece todas as refeições (café da manhã, lanche, almoço e outro lanche; me lembrem de escrever um post só sobre as refeições, é uma parte essencial da escola!); os livros são subsidiados pelo estado, apesar da escola não ser registrada e não seguir o currículo oficial e nem os testes obrigatórios (são muitos nos EUA). Então você tem que praticamente só levar seu filho mesmo.

A escola é dividida em turmas, agrupadas mais ou menos de dois em dois anos. Cada turma tem um professor responsável, e uma sala-base (homeroom). Umas duas vezes por semana a turma se reúne para falar sobre as atividades que estão acontecendo, conversar e também bolar e decidir sobre a excursão que vão fazer naquele ano - todo ano, cada turma decide um lugar para visitar, e as crianças têm que organizar tudo. Mas eu explico mais sobre isso quando for falar dos projetos e atividades da escola, senão não vai dar certo.

No começo do ano, os professores das turmas fazem uma entrevista individual com cada criança, para saber seus interesses, o que querem aprender, quais os objetivos que têm e que lugares gostariam de visitar (para as excursões). No final da primeira semana, todos os professores se reúnem, com todos os interesses e vontades de todos os alunos, e partem pro gostoso desafio de montar o quebra-cabeça, juntando o que os alunos querem, o que os professores podem oferecer, o que os pais e a comunidade podem ajudar, e assim montam os horários.

A escola tem vários combinados e regras; na parede do Big Room, onde acontecem as reuniões, tem um papel grande com os combinados escritos, e um aviso: nem todas as regras estão listadas!


As 'maiores' regras, segundo minha interpretação do que vi e ouvi, são: qualquer pessoa pode pedir uma Assembleia (Council Meeting) a qualquer momento, e todos têm que comparecer, parando o que estiverem fazendo. A participação nas reuniões de atividades, que acontecem toda segunda-feira de manhã, também é obrigatória. Quando alguém fala pra outra pessoa parar de fazer alguma coisa, essa pessoa precisa parar, e nenhum tipo de violência é tolerado.

(foto: Sophia, 11 anos)

Inclusive, no meu primeiro dia lá, logo depois do almoço, uma assembleia foi chamada por uma menina de 13 anos - mas vou contar tudo em um post só sobre as Assembleias, porque são muitos detalhes e coisas interessantes. Então acho que essa terceira parte termina aqui, e na próxima eu começo falando das tais council meetings.

(pra quem pegou o bonde andando e quer saber o começo da história, garanta seu lugar na janelinha aqui, aqui e aqui).





Comentários

Janaína Vieira disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Janaína Vieira disse…
Obrigada querida!
Estou aguardando os proximos capitulos!!! bjs

Postagens mais visitadas deste blog

paredes

quando eu engravidei a gente morava em um apartamento de dois quartos que tinha sido reformado pra ser um quarto só - um quarto bem grande, com uma escrivaninha imensa na ponta, uma amplidão que só vendo. e uma das primeiras coisas que pensamos foi: "o bebê vai precisar de um quarto!" (falo sobre essa ilusão em outro post depois, vamos por partes).

começamos então uma pequena reforma pra levantar a parede e dividir o quarto em dois, e esses dias pensei nessa história e lembrei da angústia que isso me deu. lembro de um dia deitar na cama e chorar, me sentindo claustrofóbica e apertada. acho que na verdade aquela parede, além dos enjoos e da barriga crescendo, materializava a mudança imensa que estava acontecendo, toda a transformação que estava por vir. era uma das primeiras concessões que o meu eu-mãe fazia ao bebê, e acho que me fez pensar em todas as outras coisas que eu abriria mão, em tudo que nunca mais seria o mesmo.

hoje, vejo como foi bom eu ter tido esse tempo de c…

passos

filha, hoje eu aprendi que preciso confiar nos seus passos. vc queria atravessar por aí, como seus amiguinhos estavam fazendo com tanta tranquilidade, e eu fiquei te dando a mão. até que vc falou que queria ir sozinha, que vc conseguia, e eu falei que eu tinha medo. tentei pegar sua mão de novo, e vc não deixou. "eu consigo, mamãe." e foi. concentrada, com seu passo pequeno e tão confiante, determinada como vc sempre é. eu fui logo atrás, segurando a respiração e repetindo como um mantra que preciso confiar nos seus passos. vc atravessou, ficou feliz e orgulhosa, e eu também. o coração acelerado, pensando "e se...". mas confiando. assim vai ser, filha, por todo o tempo: eu aprendendo a confiar nos seus passos, nas suas escolhas. sabendo que às vezes vc vai cair e eu vou precisar ser forte pra te amparar. sabendo que muitas vezes vc vai me mostrar ser mto mais capaz do que eu julgo, me ensinando que meu papel é te encorajar e deixar ir. não achei que fosse ser difíc…

desmame

foram mtas tentativas de desmame; teve a vez que a dentista fez terrorismo e disse que as cáries eram da amamentação. e eu acreditei, cheguei em casa de noite e falei que não ia ter peito, e a clarice chorou muiiiiito, e eu chorei muito tb, até desistir depois de 1h e dar mamá pra ela, as duas soluçando e eu abraçando ela forte. eu falava nessa época que queria desmamar, mas não estávamos prontas. teve tb no natal, que ela passou dois dias sem pedir e eu pensei que pronto, tinha desmamado assim, sozinha e do nada. mas, risos, claro que não. teve as vezes que eu quase surtava de madrugada, exausta e irritada. teve a vez no carnaval, que eu tive que ninar ela no colo duas madrugadas, peguei uma gripe braba e desisti pq precisava dormir. e teve a vez que foi, de verdade, o desmame. não teve combinado, não falei que ela era grande (pq ela sempre respondia isso com um gugu-dadá com voz de bebê, falando que era pequenininha), e tb não teve raiva ou surto. era o segundo dia que ela mamava de…