Pular para o conteúdo principal

Free School 10 - o nada

Eu sempre fui grande defensora do direito de não se fazer nada na escola. Espalho aos quatro ventos como acho importante que as crianças tenham tempo e espaço de respirar, de olhar pela janela, de ficar à toa.

Fiquei muito surpresa, então, quando saí da Free School na primeira visita com um incômodo que não sabia bem explicar, mas que tinha a ver com um suposto limite, que eu achava que deveria ter visto, entre a liberdade e o desleixo, o descaso.

Na sexta à tarde, o clima na escola era de... nada. Umas crianças sentadas/deitadas no sofá; alguns tinham ido para um parque perto, deixando o espaço mais vazio que de costume. Outros "meio" desenhando, meio só ali, olhando. Nem tinha muita conversa na hora. Não vi os professores, e não senti ninguém engajado, interessado. E foi isso que me incomodou.

Eles não deveriam estar matando a curiosidade inata de cada criança? Não deveriam estar concentrados em alguma coisa (um jogo, um videogame, qualquer coisa)? Logo deu a hora da limpeza geral, e depois a hora de me despedir e ir embora, com uma boa estrada pela frente. Fui embora levando o incômodo comigo.

Seguimos, eu e o incômodo. Mas que raios era isso, por que eu não tinha gostado do que tinha visto? Não era esse o ócio que eu tanto falava? O que ele tinha de diferente?

Depois de algum tempo, entendi. O ócio, o nada que eu sempre defendi, era ainda um nada controlado. Alguns minutinhos (inhos mesmo) para se respirar. Para ir pro "peace corner" da sala montessori dar um tempo. Para se pendurar nas barras do trepa-trepa um pouquinho, espairecer e voltar. Para dar uma voltinha no jardim, que fosse, e depois se concentrar de novo no fantástico mundo da atividade-sem-fim.

Mas no meio do caminho tinha o nada de verdade. O nada como tempo, além dos inhos - minutinhos, pouquinho, um tantinho. O nada como escolha, e não como recreio concedido. O ser-à-toa como opção, legítima e sustentada, sem ser um problema, um rótulo, um entrave. Mas como parte normal, saudável, de um arranjo escolar que não se encaixa em quadradinhos organizados. Um respiro do final de uma semana, um momento de simplesmente estar ali, conviver sem ter um plano, uma ação, um tema. Estar do lado por estar, e lidar com isso também.

O incômodo achou que já tava bom e foi passear (para voltar depois, claro, em outros momentos). Percebi aí que pensar e ler sobre, concordar e defender uma ideia são coisas bem diferentes de vivenciar, experimentar e ver onde ficam os meus preconceitos, a minha necessidade de controle, as minhas ideias e contradições. E que experimentar outras formas de educação é um constante me encarar no espelho.



Comentários

Luiza disse…
http://clubedenadismo.com.br/
Olha aí. O foco é voltado pra essa "hiper conectividade" que vivemos agora, as questões de FOMA e etc, mas acho interessante porque as pessoas realmente tem esse pânico do nada, do à toa. O dolce far niente, o ócio criativo e esse clube de nadismo tão aí pra provar que às vezes precisamos, mesmo, de uma pausa (de mil compassos) hihi

Postagens mais visitadas deste blog

paredes

quando eu engravidei a gente morava em um apartamento de dois quartos que tinha sido reformado pra ser um quarto só - um quarto bem grande, com uma escrivaninha imensa na ponta, uma amplidão que só vendo. e uma das primeiras coisas que pensamos foi: "o bebê vai precisar de um quarto!" (falo sobre essa ilusão em outro post depois, vamos por partes).

começamos então uma pequena reforma pra levantar a parede e dividir o quarto em dois, e esses dias pensei nessa história e lembrei da angústia que isso me deu. lembro de um dia deitar na cama e chorar, me sentindo claustrofóbica e apertada. acho que na verdade aquela parede, além dos enjoos e da barriga crescendo, materializava a mudança imensa que estava acontecendo, toda a transformação que estava por vir. era uma das primeiras concessões que o meu eu-mãe fazia ao bebê, e acho que me fez pensar em todas as outras coisas que eu abriria mão, em tudo que nunca mais seria o mesmo.

hoje, vejo como foi bom eu ter tido esse tempo de c…

passos

filha, hoje eu aprendi que preciso confiar nos seus passos. vc queria atravessar por aí, como seus amiguinhos estavam fazendo com tanta tranquilidade, e eu fiquei te dando a mão. até que vc falou que queria ir sozinha, que vc conseguia, e eu falei que eu tinha medo. tentei pegar sua mão de novo, e vc não deixou. "eu consigo, mamãe." e foi. concentrada, com seu passo pequeno e tão confiante, determinada como vc sempre é. eu fui logo atrás, segurando a respiração e repetindo como um mantra que preciso confiar nos seus passos. vc atravessou, ficou feliz e orgulhosa, e eu também. o coração acelerado, pensando "e se...". mas confiando. assim vai ser, filha, por todo o tempo: eu aprendendo a confiar nos seus passos, nas suas escolhas. sabendo que às vezes vc vai cair e eu vou precisar ser forte pra te amparar. sabendo que muitas vezes vc vai me mostrar ser mto mais capaz do que eu julgo, me ensinando que meu papel é te encorajar e deixar ir. não achei que fosse ser difíc…

desmame

foram mtas tentativas de desmame; teve a vez que a dentista fez terrorismo e disse que as cáries eram da amamentação. e eu acreditei, cheguei em casa de noite e falei que não ia ter peito, e a clarice chorou muiiiiito, e eu chorei muito tb, até desistir depois de 1h e dar mamá pra ela, as duas soluçando e eu abraçando ela forte. eu falava nessa época que queria desmamar, mas não estávamos prontas. teve tb no natal, que ela passou dois dias sem pedir e eu pensei que pronto, tinha desmamado assim, sozinha e do nada. mas, risos, claro que não. teve as vezes que eu quase surtava de madrugada, exausta e irritada. teve a vez no carnaval, que eu tive que ninar ela no colo duas madrugadas, peguei uma gripe braba e desisti pq precisava dormir. e teve a vez que foi, de verdade, o desmame. não teve combinado, não falei que ela era grande (pq ela sempre respondia isso com um gugu-dadá com voz de bebê, falando que era pequenininha), e tb não teve raiva ou surto. era o segundo dia que ela mamava de…