segunda-feira, 4 de maio de 2015

Chegando

chegar em bangkok. as letrinhas em thai, que anos atrás faziam algum sentido pra mim, pulavam na minha frente sem eu entender nada. tudo era cansaço, fome, e uma sensação meio surreal de "enfim, estamos em bangkok".

logo que saímos do aeroporto, minha sensação era de afogamento. que calor, quanto prédio, quanto carro, tem um rio aqui no meio, e essas casinhas, quanto carro, caramba os prédios são grandes mesmo, que calor, isso aqui é uma megalópole!!!, e esse tanto de fio, e essas letrinhas de novo nas placas, será que algum dia vou saber andar por aqui?, o que é isso que estão vendendo no sinal, é de comer?, quanta loja, quanta gente, cadê as cores e os budas?

hoje já fazem quase 2 meses que chegamos aqui, mas sinto que chego um pouco mais a cada dia. as letrinhas já fazem mais sentido, algumas palavras que ouço também. já sei me virar bem andando de skytrain, mas me confundo ainda nas tantas sóis (ruas) por aí. achei as cores e os budas, o calor aumentou mesmo quando eu achava que não seria possível aumentar, e quase sempre o que estão vendendo é de comer, mesmo. a não ser quando são flores e incensos pras oferendas.




muitas vezes me pego pensando numa música querida que diz
"minha pegada se apaga
naquela areia
quem anda em terra alheia
pisa no chão devagar"

e assim vou, pisando devagar nessa terra. desprendendo um tico do brasil, chegando mais aqui. entendendo melhor os ritmos de bangkok, desafogando do tanto de informação para em seguida ser mergulhada de novo em outras novidades e surpresas...

Nenhum comentário: