Pular para o conteúdo principal

tempo

quem me conhece sabe que pontualidade nunca fui meu ponto forte. quem me conhece sabe também que não é por mal, é só um jeito enrolado de ser.

pois bem. desde que cheguei aqui, há 4 semanas, estou me esforçando bastante para chegar na hora em todos os lugares, e tenho conseguido. nunca mais tinha chegado atrasada pra nada... até quarta-feira.

na quarta eu pude entender melhor o significado de pontualidade e a importância do relógio na vida das pessoas. minha aula começa às 14h55. esse é o horário que o professor chega, ajeita seu material, prepara o power point, e nesse horário todos os alunos já estão sentados. tudo bem, todos é exagero. sempre tem uns dois (de uma turma de mais de 50) que chegam enquanto o professor termina de se ajeitar.

eu cheguei 15h05.

me senti quase uma criminosa. foi tanto constrangimento que peloamordedeus... 10 minutinhos, sendo que a aula só começa MESMO umas 15h, talvez 14h59. bom, depois desse ato de insanidade e irresponsabilidade de chegar 10 minutos atrasada, tudo correu bem. o professor falava, fazia piadas, os alunos riam, faziam perguntas, anotavam... até que deu 16h05.

a aula acaba 16h10 (eles têm algum política contra horários redondos aqui), e cinco minutos antes as pessoas começaram a se movimentar para guardar suas coisas; o professor continuava falando, como se estivesse no auge de toda a explicação, e não se encaminhando para o fim.

às 16h10, todas as pessoas levantaram. e o professor continuava falando!!! eu fiquei meio assustada. o professor em pé, falando, e os alunos em pé, saindo, até que ele teve que falar que continuava na outra aula. e tudo isso na maior naturalidade, enquanto eu, chocada, ficava me perguntando por que ninguém tinha esperado mais 2 minutos pra ele concluir o pensamento e falar "that's all, folks" ou algo do tipo.

o tempo aqui passa um pouquinho diferente...

Comentários

Luara disse…
escreve sempre ta lindona!!!
quero ler sempre coisas do seu cotidiano
te amo

Postagens mais visitadas deste blog

paredes

quando eu engravidei a gente morava em um apartamento de dois quartos que tinha sido reformado pra ser um quarto só - um quarto bem grande, com uma escrivaninha imensa na ponta, uma amplidão que só vendo. e uma das primeiras coisas que pensamos foi: "o bebê vai precisar de um quarto!" (falo sobre essa ilusão em outro post depois, vamos por partes).

começamos então uma pequena reforma pra levantar a parede e dividir o quarto em dois, e esses dias pensei nessa história e lembrei da angústia que isso me deu. lembro de um dia deitar na cama e chorar, me sentindo claustrofóbica e apertada. acho que na verdade aquela parede, além dos enjoos e da barriga crescendo, materializava a mudança imensa que estava acontecendo, toda a transformação que estava por vir. era uma das primeiras concessões que o meu eu-mãe fazia ao bebê, e acho que me fez pensar em todas as outras coisas que eu abriria mão, em tudo que nunca mais seria o mesmo.

hoje, vejo como foi bom eu ter tido esse tempo de c…

passos

filha, hoje eu aprendi que preciso confiar nos seus passos. vc queria atravessar por aí, como seus amiguinhos estavam fazendo com tanta tranquilidade, e eu fiquei te dando a mão. até que vc falou que queria ir sozinha, que vc conseguia, e eu falei que eu tinha medo. tentei pegar sua mão de novo, e vc não deixou. "eu consigo, mamãe." e foi. concentrada, com seu passo pequeno e tão confiante, determinada como vc sempre é. eu fui logo atrás, segurando a respiração e repetindo como um mantra que preciso confiar nos seus passos. vc atravessou, ficou feliz e orgulhosa, e eu também. o coração acelerado, pensando "e se...". mas confiando. assim vai ser, filha, por todo o tempo: eu aprendendo a confiar nos seus passos, nas suas escolhas. sabendo que às vezes vc vai cair e eu vou precisar ser forte pra te amparar. sabendo que muitas vezes vc vai me mostrar ser mto mais capaz do que eu julgo, me ensinando que meu papel é te encorajar e deixar ir. não achei que fosse ser difíc…

desmame

foram mtas tentativas de desmame; teve a vez que a dentista fez terrorismo e disse que as cáries eram da amamentação. e eu acreditei, cheguei em casa de noite e falei que não ia ter peito, e a clarice chorou muiiiiito, e eu chorei muito tb, até desistir depois de 1h e dar mamá pra ela, as duas soluçando e eu abraçando ela forte. eu falava nessa época que queria desmamar, mas não estávamos prontas. teve tb no natal, que ela passou dois dias sem pedir e eu pensei que pronto, tinha desmamado assim, sozinha e do nada. mas, risos, claro que não. teve as vezes que eu quase surtava de madrugada, exausta e irritada. teve a vez no carnaval, que eu tive que ninar ela no colo duas madrugadas, peguei uma gripe braba e desisti pq precisava dormir. e teve a vez que foi, de verdade, o desmame. não teve combinado, não falei que ela era grande (pq ela sempre respondia isso com um gugu-dadá com voz de bebê, falando que era pequenininha), e tb não teve raiva ou surto. era o segundo dia que ela mamava de…