Pular para o conteúdo principal

receita

tem gente que diz que às vezes é preciso engolir o orgulho. em alguns casos, eu acho que a única saída é dissolver ele. porque, né?! o que a gente engole, ainda mais quando não quer, uma hora tem que sair. e nunca sai mais bonito de que quando entrou.

a solução, então, é dissolver mesmo o orgulho. ir amolecendo até ele perder a forma e a razão de ser. até começar a evaporar, ou se misturar, inofensivo, às outras coisas que estão por perto.

pra isso, tem que querer muito muita paz. tem que cansar de carregar pesos extras e desnecessários. tem que levar um susto grande, talvez causado pelo rancor e mágoa que o orgulho faz a gente guardar. tem que dar o braço a torcer, dar mais importância a uma bandeira branca levantada do que ao prazer de ouvir alguém dizer que a gente tava certo.

mas não acabou - nunca acaba. depois de dissolver o orgulho, precisa de muita, mas muita paciência. porque a dissolução do orgulho pode vir de brinde com muita expectativa; e, se a expectativa não é atendida, o orgulho pode muito bem endurecer de novo e voltar. e daí é que a paciência tenta segurar as pontas.

mas um dia a gente volta com a receita pra cuidar das expectativas...

Comentários

Van disse…
Uma sugestão:
favor colocar aqui um passo a passo para dissolver o orgulho!
:)

é bom ter vc aqui de volta! <3

Postagens mais visitadas deste blog

coragem

a coragem está justamente em pular sem garantia nenhuma. é mergulhar no desconhecido sem saber o que vem depois, o que espera na curva, confiando apenas naquilo que impele, que move, que faz pulsar. a coragem é feita de trama fina, mas resistente. passa às vezes despercebida pelos olhares mais desatentos. não se reveste de certezas nem redes de proteção, mas se forja no vento que bate na pele quando do pulo, no coração que bate ligeiro, no frescor simples de acreditar. não é de matéria frágil que a coragem é feita, e nem da insensatez. ela é construída em força, desejo e um ímpeto incontido de pegar a vida pelas mãos.

passos

filha, hoje eu aprendi que preciso confiar nos seus passos. vc queria atravessar por aí, como seus amiguinhos estavam fazendo com tanta tranquilidade, e eu fiquei te dando a mão. até que vc falou que queria ir sozinha, que vc conseguia, e eu falei que eu tinha medo. tentei pegar sua mão de novo, e vc não deixou. "eu consigo, mamãe." e foi. concentrada, com seu passo pequeno e tão confiante, determinada como vc sempre é. eu fui logo atrás, segurando a respiração e repetindo como um mantra que preciso confiar nos seus passos. vc atravessou, ficou feliz e orgulhosa, e eu também. o coração acelerado, pensando "e se...". mas confiando. assim vai ser, filha, por todo o tempo: eu aprendendo a confiar nos seus passos, nas suas escolhas. sabendo que às vezes vc vai cair e eu vou precisar ser forte pra te amparar. sabendo que muitas vezes vc vai me mostrar ser mto mais capaz do que eu julgo, me ensinando que meu papel é te encorajar e deixar ir. não achei que fosse ser difíc…

seis horas

seis horas da tarde, sexta-feira, a escola toda em quietude. hora de ir cuidando dos detalhes: carregar a pirâmide pra um lugar coberto, fechar uma porta que ficou aberta, apagar alguma luz que esqueceram acesa, guardar a garrafinha perdida no quintal. vou andando pela escola vazia e pensando em tudo que aconteceu ali nas últimas horas de um dia bem cheio. as brincadeiras no quintal, as estudantes de pedagogia que vieram fazer pesquisa; as aulas de música sobre diferentes etnias indígenas, a criança nova que estava indo pra escola pela primeira vez, o menino que pediu minha ajuda pra aprender a descer pelo “cano do bombeiro”, as comidinhas feitas de lama e folha, as bocas sujas de feijão e as barrigas cheias. também os conflitos e brigas, os “é meu”, “não gosteeei!”, “não me empurra!”; os convidados do creas que foram conversar sobre diversidade, gênero e respeito; o pequeno que passou mal, a reunião que precisou ser remarcada, a impressora que não funcionou, os abraços compartilhados…